Era uma vez, num espaço e num tempo incerto, algures na evolução do rato para o homem, um ser fechado no seu próprio labirinto. O encenador Ricardo Neves-Neves e o performer e clown Rui Paixão juntam-se pela primeira vez e criam um espetáculo sem texto, carregado de efeitos sonoros e visuais. No palco, levam-nos para um universo retro-futurista, em tons de verde-jardim, onde não faltam estátuas renascentistas, mas também polvos gigantes, enxames de abelhas, corujas assustadoras e aspiradores endiabrados. Entre o riso e o terror, entre o nonsense e o sentido da vida, entre o teatro, a dança e a performance, Hamster Clown fala de sonhos e de pesadelos, de confinamentos e de libertações. E pouco interessa se somos homens ou ratos – ali acabamos todos esfolados.

ENCENAÇÃO Ricardo Neves-Neves
INTERPRETAÇÃO Rui Paixão

Uma Casa de Bonecas, escrita em 1879 pelo autor norueguês Henrik Ibsen, é uma das mais importantes peças da história da literatura, unanimemente considerada como o texto que dá origem ao drama moderno. A acção acompanha a relação do casal Helmer, principalmente a “viagem” interior que a mulher, Nora, percorre ao longo dos três actos e que a faz tomar consciência que a aparência da perfeição e da felicidade não são a perfeição e a felicidade. Peça feminista, psicológica, revolucionária, são muitos os adjectivos que podem classificar Uma Casa de Bonecas, mas talvez a forma mais simples de a descrever seja aquela que o próprio autor usou, dizendo que a escreveu: «não como uma peça de propaganda mas sim de verdades universais sobre a identidade humana».

De Henrik Ibsen
Tradução Miguel Graça
Dramaturgia João de Brito e Miguel Graça
Encenação João de Brito
Com Bruno Bernardo, Diana Nicolau, Inês Ferreira da Silva, José Mata, Luís Lobão e Madalena Almeida
Cenografia Carla Martinez
Figurinos José António Tenente
Desenho de luz José Álvaro Correia
Música Tomás Alves
Fotografia e vídeo Diogo Simão
Assistência de encenação Inês Ferreira da Silva
Coprodução Teatro da Trindade INATEL e LAMA Teatro

A CIRCULARIDADE DO QUADRADO de Dimítris Dimitriádis Tradução José António Costa Ideias Com Hugo Tourita, Antónia Terrinha, Inês Pereira, Pedro Caeiro, Nuno Pardal, Simon Frankel, Bruno Vicente, Nuno Gonçalo Rodrigues e Vânia Rodrigues Cenografia e Figurinos Rita Lopes Alves Luz Pedro Domingos Encenação Jorge Silva Melo M16
No CCB – Centro Cultural de Belém de 17 a 20 Junho
5ª a Sáb. às 19h00 | Dom. às 16h00
No Teatro da Politécnica de 23 de Junho a 17 de Julho
3ª a Sáb. às 19h00
Queremos sempre algo que não existe. Nunca nos satisfazemos com o que é. É esse o nosso erro, mas não há como evitá-lo. Está na nossa natureza. Deitamos as nossas vidas fora assim, mas não há outra maneira de as tornar nossas.

Dimítris Dimitriádis, A Circularidade do Quadrado
A Circularidade que o dramaturgo dedica “àqueles que vivem” é uma equação erótica de paixão e desespero que apresenta onze pessoas de diferentes géneros, gerações e preferências sexuais que partilham uma necessidade irresistível: ser amadas. A Circularidade do Quadrado expressa a inevitabilidade da nossa existência quando empurra os seus heróis para o limite, colocando-os a incendiar-se e matar-se mutuamente apenas para ressuscitá-los um pouco depois com uma única e partilhada esperança: que talvez desta vez encontrem o amor.

Jorge Silva Melo

Devastado por uma paixão proibida, e falido, Enrique, diretor teatral, devota-se à montagem de uma versão radicalmente livre de “Romeu e Julieta”, no seu mais íntimo e secreto palco: o mundo dos sonhos. Mas até nesse território, a moral vigente é uma flora infestante, e convocará as devidas instituições para uma insurreição contra o Teatro e os seus degenerados entes.

“Fruto de uma profunda investigação em torno de “O Público”, o Ninho de Víboras apresenta uma nova tradução para este texto maior da dramaturgia universal, a primeira realizada em português a partir do manuscrito sobrevivente. Tentaremos iluminar, sob outros ângulos, o “melhor poema” de Lorca. Comédia surrealista, tragédia autobiográfica, music-hall iconoclasta: “O Público” é, em suma, um gesto político, que reivindica o primado da poesia como ferramenta transformadora da realidade.”

O Ninho de Víboras é uma associação cultural criada em 1996 por um coletivo de artistas com formações e percursos distintos, que partilham entre si um conjunto de valores éticos e estéticos. A sua área de intervenção privilegiada é o concelho de Almada. As suas realizações, de natureza multidisciplinar, têm-se manifestado nas áreas do Teatro, Dança, Música, Artes Plásticas e Audiovisuais, organizando também ações de formação, conferências e debates. Os trabalhos do Ninho de Víboras dão primazia à comunicação franca e clara com os espectadores, à provocação e à subjetividade, procurando aprofundar o diálogo com a sociedade e cultura portuguesas.

Texto FEDERICO GARCÍA LORCA
Interpretação JEFFERSON OLIVEIRA, DIOGO FOUTO, RITA BARROS, MARIA VILALOBOS, VICTOR CAETANO, CÉSAR MELO, RAFAELA BINBAL, SARA CASTANHEIRA, TOMÁS GOMES
Música ROBERT FRIPP COM ANDREW KEELING, DAVID SINGLETON
Direção Plástica, Guarda-Roupa, Captação Vídeo e Iluminação GABRIEL ORLANDO
Edição Vídeo CÉSAR MELO
Operação de Som CRISTINA GONÇALVES
Adereços, Operação de Vídeo LUÍS PINHO
Tradução, Dramaturgia, Encenação KARAS
Produção NINHO DE VÍBORAS
Apoios SOCIEDADE FILARMÓNICA INCRÍVEL ALMADENSE, TEATRO EXTREMO, ASSOCIAÇÃO CULTURAL E RECREATIVA BAIRRO DE SÃO JOÃO (SOBREDA DE CAPARICA), ATELIER GABRIEL ORLANDO
Subsídios CÂMARA MUNICIPAL DE ALMADA, FUNDAÇÃO GDA

Pág. 4 de 8

VOZ ONLINE é o nome da rádio licenciada pela Associação Voz Online Rádio - ARDVOZ.

  •  

Registo na ERC nº 700077
  •  
    spotify6  google podcast